terça-feira, 31 de julho de 2012

Deus! Dá-me mãos de pato!


         Eu queria mãos de pato. Mãos de pato com aquelas membranas boas para nadar. Sabe? Seria nojento eu sei. Entretanto aquela velha máxima de que " o amor é tal qual segurar água nas mãos em forma de concha" seria inválida.  Se alguém viesse com aquela cara "madura pra caralho" e dissesse a tal máxima, eu, no auge na arrogância mostraria minhas mãos de pato e diria: - Toma seu trouxa... Como você se sente agora? Se achava o espertão, "sabe-tudo-do-amor", e, agora, está com medinho das minhas mãos anfíbias e por não saber nada sobre amor. 
             Queria segurar o amor dela firmemente e que o amor dela não dependesse dela, dependesse das minhas mãos de pato, e de tudo o que eu sinto. Claro, fazemos coisas. As coisas ditas e mostradas: abrir a porta de um Buiu, levar o chocolate preferido. Isso sempre parece pouco... Ela é linda, ela cresce, e vem o passado lindo com cabelinho de lado, sorriso Cepacol e pisca com cílios enormes, falando sobre topografia, Lua e o Caralhoaquatro do universo todo. Como se saber que porra de molécula casada com outra molécula filhadeumaputa daria bom resultado e pimba: A humanidade.
            Tem as coisas que fazemos e não contamos: não olho mais bunda nenhuma, não me masturbo pensando em mais ninguém, e toda música de amor é pra ela, sobre ela, ou com ela. Mas vem o bonitão com o olho mais lindo do mundo, com seus saltos de 1,80metros fodaspracaralho e ploft: - oi gata!
            Ah, se eu tivesse mãos de pato, além de segurar a água com as mãos como nenhum outro, botava medo em todo mundo... Chamariam – me : Ramon o mutante brasileiro! Iria ao programa do Ratinho numa quarta-feira, disputaria o pico de audiência com o Futebol da PlimPlim. Lá, no programa do Carlos Massa, eu, mentindo, diria que além de mãos de pato, conseguia ler mentes, e matar com um só olhar... Ah, bento seria o poder de matar apenas com o olhar... Nada de facas, paus, pedras. Um olhar incisivo, umas mãos de pato, e eu... Mataria.
            Você deve estar pensando que eu, por ciúme, estou demonstrando apenas o egoísmo de não ser melhor em tudo... E, na verdade, você não está de todo errado. Mas, caro leitor, é melhor matar do que morrer... Quem, sendo sincero, numa situação entre matar ou morrer escolheria a segunda opção: A lei permite, a ética permite, a moral permite, Deus permite. E eu queria apenas uma morte que não fosse a minha aos poucos, de raiva, de insanidade. Se não dos, tantos, bonitões, do meu ciúme pelo menos. Por isso, mãos de pato seriam muito bem aproveitadas. Se eu não matasse alguém com elas, pelos menos provaria que pato mergulha. Senão na água, no coração dela.

Ramon C.

3 comentários:

  1. Ramon? Pato mergulha, que lindo;

    ResponderExcluir
  2. sou tua. meu coração se prende ao seu. não precisa de suas mãos, muito menos de pato! rs
    te amo louquinho

    ResponderExcluir